SOCIEDADE
 
Conferência de Arouca: Refugiados, e se fosse comigo?
 
Teresa Tito de Morais contextualizou os grandes movimentos migratórios dos dias de hoje e abordou o trabalho específico desenvolvido pelo CPR
 
   Mais fotos
  Outras acções...
 Enviar a um amigo
 sugerir site
Teresa Tito de Morais, que dirige o Conselho Português para os Refugiados (CPR) desde 1991, foi a conferencista de Julho convidada pelo Círculo Cultura e Democracia. Durante quarenta minutos, contextualizou os grandes movimentos migratórios dos dias de hoje, abordou o trabalho específico desenvolvido pelo CPR e sublinhou o impacto devastador que as campanhas de desinformação, em particular nas redes sociais, têm tido junto da opinião pública.
A questão dos refugiados entrou no nosso consciente público no Verão de 2015, com as grandes movimentações de pessoas oriundas da Síria e do Iraque em direcção à Europa via Turquia. Na altura, o governo alemão tomou a liderança no seu acolhimento e vários foram os Estados membros que lhe seguiram o exemplo, incluindo Portugal. Desde então, o tema das migrações, e, em particular, o acolhimento dado aos refugiados tornaram-se questões decisivas nas eleições legislativas de vários países europeus, dando acesso ao poder a partidos populistas até recentemente nas margens do panorama político.
Teresa Tito de Morais começou por contextualizar as grandes deslocações forçadas de população a nível mundial - 68,5 milhões, dos quais 25,8 milhões são refugiados -, tornando claro que a pressão sentida na Europa não só é uma reduzidíssima percentagem deste valor, como tem estado a diminuir desde 2015. Dividiu os refugiados acolhidos em Portugal entre os que chegam directamente e aqueles que vêm ter a Portugal vindos de países de ‘transito' e/ou de triagem.
Sublinhou a importância da circulação da informação correcta de números e factos e do esforço constante de combater as campanhas de desinformação que facilmente proliferam nas redes sociais. Temas como o contributo económico dos migrantes, que ultrapassa largamente o seu peso financeiro sobre os estados que os acolhem, e a sua contribuição para o progresso social e tecnológico são facilmente relegados para segundo plano, e narrativas sobre o suposto impacto negativo da sua existência na qualidade de vida dos nacionais, nomeadamente nas áreas da segurança e economia, ganham primazia nestas plataformas. Esta questão da desinformação e da importância das redes sociais em veicular informação não confirmada ou falsa mereceu interesse da audiência, tendo sido debatida por vários participantes.
Relembrou, aliás, a experiência portuguesa no acolhimento de 500.000 pessoas na sequência da descolonização, num período que marcou o inicio do desenvolvimento económico do país, e, na década de 1990, de cerca de 1300 kosovares refugiados da guerra. Relativamente à integração em Portugal, considerou que este é um pais acolhedor, cuja língua e condição periférica relativamente às grandes comunidades de refugiados europeus no norte da europa dificulta por vezes a integração. As dificuldades do CPR residem precisamente no emparelhamento de refugiados e de autarquias que os possam acolher, tendo em conta o contexto sócio-economico de origem dos diferentes refugiados. Sublinhou que a habitação era o problema mais difícil de resolver, já que a Grande Lisboa está a braços com uma crise de habitação e consequente subida de preços de arrendamento que o CPR não tem meios para acompanhar.
Relativamente ao futuro, mostra-se apreensiva, na sequência da ultima cimeira da União Europeia, em que as divisões europeias ficaram sedimentadas. Em Portugal, lamentou a impossibilidade de desenvolver parcerias de acolhimento com mais autarquias, incluindo Arouca, mas manifestou esperança que a situação se pudesse alterar.
Teresa Tito de Morais concluiu a sua palestra lembrando a sua experiência enquanto refugiada política, tendo sido presa pela PIDE durante o Estado Novo. Exprimiu a sua gratidão à Suíça que acolheu a sua família e lhe permitiu concluir os estudos e crescer intelectualmente: ‘Se eu não tivesse tido essa oportunidade, o que teria sido de mim?', disse. 2018-08-31
 
Arouca

Terça, 18 de Setembro de 2018

Actual
Temp: 19º
Vento: N a 2 km/h
Precip: 0 mm
Nublado
Qua
T 25º
V 3 km/h
Qui
T 25º
V 3 km/h
PUB.
PUB.
 
INQUÉRITO
Com a proposta do governo de reverter as agregações das freguesias, as uniões feitas no concelho de Arouca devem...
 
 
A Frase...

"Pretendemos manter as dinâmicas de trabalho, participar em projectos e proporcionar aos alunos um ensino de qualidade"

Adília Cruz, directora do AE Arouca, em declarações ao RV

EDIÇÃO IMPRESSA

RSS Adicione ao Google Adicione ao NetVibes Adicione ao Yahoo!
PUB.
Desenvolvido por Hugo Valente | Powered By xSitev2p | Design By Coisas da Web | 41 visitantes online