Edifício da farmácia de Rossas ameaça ruir. Utentes e transeuntes alertam para perigo na via pública

Situado na EN 224, no lugar da Barroca, freguesia de Rossas, o edifício da farmácia local está em situação de pré-ruína, o que é um verdadeiro atentado à segurança pública e um enorme perigo para os que passam junto do mesmo. No imóvel centenário estão até afixadas placas que alertam para a situação precária da sua estabilidade, que se tem degradado, a que não é estranho os materiais que o constituem e que já ultrapassaram o seu tempo de vida.
«As madeiras dos beirais encontram-se podres assim como os seus interiores em situação de ruptura iminente. As fissuras nas partes mais rígidas são por demais evidentes a adivinhar uma desagregação a qualquer momento», referiu um habitante da freguesia ao RV. «As estruturas que suportam as telhas por já não suportarem o peso destas contribuem para que resvalem e venham cair à via pública. A somar a tudo isto existe a trepidação de todo o género de veículos, uns pesados, outros não, que ainda contribuem mais para uma constante deterioração do prédio que já por si não é nada famoso».
«As pessoas da freguesia receiam por este perigo que está à vista de todos mas que as entidades públicas parecem ignorar, como se este edifício não estivesse como está à vista de todos, e não fosse no sítio onde se localiza», adiantou outro popular ao jornal.
«Não se pode continuar à espera que o edifício continue a degradar-se como está a acontecer, dia após dia, sob pena de haver consequências que poderão ser desastrosas em termos materiais e humanos», sublinhou.
Ouvida também pelo jornal, a presidente da Junta de Freguesia de Rossas, Isabel Paiva, concorda que o imóvel carece de obras urgentes: «a estabilidade daquele edifício está perigosa, espero que a situação seja resolvida com brevidade pois a farmácia presta um serviço social valioso para a nossa freguesia e para as freguesias vizinhas».
Pelo que se constata a olho nú, a reparação com “remendos” será impraticável e impossível em termos económicos até pelos materiais que constituem tal prédio (tabique, madeira,…) e só a demolição do edifício daria sossego aos que por ali passam. JCS

Outros Artigos de Interesse

Cultura Sociedade

Afonso Costa expõe pinturas de várias fases da sua vida

Afonso Costa inaugurou no passado sábado, nas instalações da antiga “Gráfica Arouquense”, a sua mais recente mostra, onde expõe obras de diferentes fases da
Sociedade

Geoparques portugueses lançam programa turístico ‘Portugal na Rota dos Geoparques’

Como forma de comemorar os 20 anos da Rede Global de Geoparques, foi lançado no passado dia 28 de Fevereiro, na BTL (Bolsa de
Sociedade

Bispo Auxiliar em visita pastoral à Paróquia de S. Miguel de Urrô

Entre os dias 28 de Fevereiro e 3 de Março, a comunidade paroquial de São Miguel de Urrô recebeu a título de visita pastoral