Concurso Interconcelhio de Leitura: ler é gosto que junta crianças e jovens

Já são conhecidos os jovens leitores arouquenses do ensino básico e do ensino secundário que irão participar na fase final da I Edição do Concurso Interconcelhio de Leitura, uma iniciativa da Coordenadora Interconcelhia das Bibliotecas Escolares de Entre Douro e Vouga (CIBE) em parceria com as Bibliotecas Municipais e as Bibliotecas Escolares que, nesta edição, envolve os concelhos de Arouca, Oliveira de Azeméis, Santa Maria da Feira, S. João da Madeira e Vale de Cambra.  O Concurso Interconcelhio de Leitura veio preencher o vazio gerado pela extinção do Concurso Nacional de Leitura (CNL).


FINAL A 8 DE MAIO

Concluída a fase escolar, a Biblioteca Municipal de Arouca acolheu a fase municipal que apurou os candidatos das escolas dos agrupamentos de Arouca e de Escariz que irão estar na fase final do concurso, fase esta que congrega os vencedores seleccionados em cada um dos cinco municípios concorrentes e que compreende mais duas etapas: a 30 de Abril, uma prova escrita a que concorrem todos os alunos apurados e, a 8 de Maio, uma prova de palco, que reunirá, na Escola Dr. Serafim Leite, em S. João da Madeira, os 20 finalistas.


12 LEITORES DE TODOS OS CICLOS

Em Arouca, o júri, constituído pela vereadora Cláudia Oliveira, a coordenadora interconcelhia das Bibliotecas Escolares, Isabel Pardal, e o chefe da Unidade de Educação do Município de Arouca, Mário Reis, selecionou os seguintes alunos:

1º CEB: Carolina Brandão (EB Arouca), Letícia Sousa (EB Rossas) e Maria Rodrigues (EB Fermedo). 2º CEB: Daniela Gonçalves (EB Arouca), Eloá Pinho (EB Arouca) e Maria Leonor Teixeira (EBS Escariz). 3º CEB: Gonçalo Valente (ES Arouca), Inês Rodrigues (EBS Escariz) e Leonor Prado (ES Arouca). E. Secundário: José Pedro Figueiredo (EBS Escariz), Martim Rodrigues (ES Arouca) e Matilde Maia (ES Arouca).

Obras seleccionadas para a sessão de 30 de Abril: 1.º CEB: “O menino, a toupeira, a raposa e o cavalo”, de Charlie MacKezy (ed. Iguana); 2.º CEB: “A menina que queria salvar os livros”, de Klaus Hagerup, (ed. Nuvem de Tinta); 3.º CEB: “O herói do autocarro noturno”, de Onjali K. Raúf (ed. Booksmile); ES: Secundário: “Abelhas cinzentas”, de Andrei Kurkov (ed. Porto Editora).

Isabel Pardal

ISABEL PARDAL: «A PROJECÇÃO DO CONCURSO ESTÁ A SER UMA SURPRESA»

RODA VIVA conversou com Isabel Pardal, a coordenadora do novo concurso interconcelhio de promoção da leitura junto das crianças e jovens.

O CNL terminou. Porquê um Concurso Interconcelhio de Leitura?

«Já tínhamos toda uma logística montada para o CNL, que sempre foi visto como uma festa da leitura; os alunos de diferentes escolas sentiam esses dias em que se encontravam para momentos de socialização e troca de ideias sobre livros e leitura. Achei péssimo que perdêssemos isso, que era um bom percurso que estávamos a fazer. Lancei o repto aos professores bibliotecários e aos municípios e acabamos por criar este concurso interconcelhio. Neste momento abarca cinco dos sete concelhos que acompanho. Há um que não aderiu por considerar que tinha muito pouco apoio por parte das entidades oficiais nestas coisas e, como voto de protesto, resolveu não entrar. É legítimo. Aceito.»

Visitou a Escola Secundária de Arouca. Como vê esta proximidade com as escolas?

«Por questões familiares tenho grande proximidade a Arouca e é sempre um prazer vir a Arouca. Sou professora há mais de 30 anos, durante 22 anos fui professora bibliotecária e conheço bem o trabalho dos professores bibliotecários no terreno e o trabalho em rede das escolas. Estar nas escolas, próximo do trabalho dos meus colegas e ver a alegria dos alunos na participação são prazeres que validam estas iniciativas. Ainda bem que me convidaram.»

Já tem dados sobre o impacto desta nova iniciativa?

«A recolha de dados permite-me constatar que o concurso interconcelhio está a ter uma projecção maior do que a que tinha o CNL, quer na adesão nas escolas quer na presença de vereadores e de quadros intermédios dos municípios na iniciativa. Poderíamos pensar que seria algo mais ‘caseiro’, mas a projecção do concurso está a ser uma surpresa, provando que esta relação de proximidade está a ser muito positiva. Espero que possamos continuar.»

Que mensagem quer endereçar à comunidade de leitores?

«O meu muito obrigado a todos os parceiros que em trabalho colaborativo e em rede contribuem para pôr este concurso no terreno. Aos alunos deixo a mensagem leiam, leiam, leiam…», referiu a docente, que partilhou um almoço “literário” com alunos e professores bibliotecários no Restaurante Pedagógico da Escola Secundária de Arouca. MMS/RV

Outros Artigos de Interesse

Sociedade

Rotary Club de Arouca reconheceu Joaquim Alexandre

Foram muitos os que partilharam histórias e episódios vividos na sua companhia e que vincam o seu carácter humanista e sentido de humor
Sociedade

Câmara de Arouca vai investir em máquinas para ‘purificar’ a água nas suas instalações

Os equipamentos usam a água da rede, que é distribuída pela Águas do Norte
Cultura Sociedade

Instituições arouquenses brilham no Dia Mundial do Teatro

O espectáculo proporcionado merecia melhor sorte, a de terem no seu município uma sala de espectáculos moderna, onde não coubessem apenas os utentes