Alunos do Polo Escolar de Rossas escrevem “Oriana e os Valores” em homenagem a Sophia de Mello Breyner

Amizade, Bondade, Delicadeza, Gratidão, Partilha, Respeito e Solidariedade. Um arco-íris de valores propício a iluminar a vida humana desde os primeiros anos de convivência. Foi precisamente deles que os alunos do Pré-escolar e do 1º Ciclo do Polo Escolar de Rossas trataram de cuidar e divulgar, através da redação de um apetitoso livrinho inspirado em “A Fada Oriana”, o inesquecível conto infanto-juvenil criado por Sophia de Mello Breyner Andresen, a escritora e poeta portuense que os autarcas da Área Metropolitana do Porto, em parceria com as escolas, decidiram homenagear, precisamente no ano em que decorre o vigésimo aniversário da sua morte (2 de Julho de 2004). A comunidade escolar de Rossas assumiu esses valores no seu projecto de cidadania e trabalhou-os com os alunos, deles resultando a exposição de sete apelativos painéis, cada qual promovendo um dos valores, e a redação de um livro a que chamaram “Oriana e os Valores” – o conto de Sophia, agora reconstruído e ilustrado pela experiência e criatividade dos próprios alunos.

No dia 25 de Junho, no cenário adequadamente colorido da biblioteca escolar, que retratava a floresta tão querida da Fada Oriana, chegou o grande momento de as crianças receberem não só os elogios pelas virtudes que demonstraram, mas também o resultado do seu trabalho – um exemplar de “Oriana e os Valores”, para jamais esquecerem tão nobres valores e para os partilharem como os colegas, pais e professores.


«É um livro sobre como construir uma sociedade mais justa e solidária»

«Com a publicação deste livro esperamos inspirar as futuras gerações a valorizarem a literatura portuguesa e a reflectirem sobre a importância dos valores na construção de uma sociedade mais justa e solidária. Acreditamos que “Oriana e os Valores” se tornará um livro de referência para as nossas crianças», referiu o professor Luís Saavedra, coordenador do Polo Escolar de Rossas. No rol de elogios ao projecto escolar, a directora do Agrupamento de Escolas de Arouca, professora Amélia Rodrigues, enalteceu ainda as virtudes do trabalho colaborativo em prol da educação: «Temos aqui um belo exemplo de um trabalho colaborativo entre alunos, professores, educadores, auxiliares e pais. O livro de Sophia é belíssimo, mas vocês, alunos, também conseguiram construir uma história lindíssima à volta dos valores!», referiu a docente.


«É um projecto que valoriza a Arte e as Pessoas»

Convidada especial da escola para a apresentação da obra, a escritora Isabel Lé viveu o momento com emoção e viajou com as crianças pelo mundo de preciosos valores que unem o conto original e o reconstruído por elas.  «Mal entrei na vossa escola, fiquei deliciada com os magníficos quadros gigantes que nos permitem fazer a leitura visual da história que recriaram a partir da obra de Sophia. Vocês mostraram ainda que com estes valores é possível construir também um livro como este que foram criando e aqui apresentam. É um projecto que valoriza a Arte e as Pessoas.»

Ainda na mesa de honra, Isabel Gilde (professora), Raquel Duarte (Coordenadora do Departamento do 1º Ciclo) e Marta Brandão (representante da biblioteca escolar) destacaram também as virtudes do projecto de valorização das pessoas pela arte, numa apresentação pedagógica que contou ainda com as presenças da presidente da Junta de Freguesia de Rossas, Isabel Paiva, e do professor Mário Reis, da Divisão de Educação do Município de Arouca. «É um trabalho completo, de excelência e que ficará para sempre na vossa vida. Falamos de valores que é importante trabalhar», frisou o representante do Município. MS/RV

Outros Artigos de Interesse

Cultura Sociedade

Teatro: GCR Rossas estreou novo êxito

“Os Meninos à Roda da Mamã”, da autoria de Henrique Santana, é uma comédia em dois actos
Cultura Divulgação

Xadrez, o formidável jogo que é para todos

Uma edição a pensar nos mais novos da autoria de Fernando Pinho e Jacinto Borges
Cultura Sociedade

“Malafaia Romana” ganha força na freguesia de Várzea

Este ano a edição mudou para o espaço alargado do Centro Cívico, em Sanfins