SOCIEDADE
 
“Refugiados: e se fosse comigo?”
 
Teresa Tito de Morais
Conferência do CMD com a presença em Arouca de Teresa Tito de Morais, fundadora do Conselho Português para os Refugiados
 
   Mais fotos
  Outras acções...
 Enviar a um amigo
 sugerir site
Os grandes temas da actualidade continuam a marcar a agenda das "Conferências de Arouca", promovidas pelo Círculo Cultura e Democracia. Desta vez, será a problemática dos refugiados a merecer atenção. Com o título "Refugiados: e se fosse comigo?", a próxima conferência terá lugar no dia 21 de Julho (sábado), às 17h00, no auditório da loja de turismo de Arouca.
O número, sem precedentes, de pessoas deslocadas à força no mundo é de 68,5 milhões, segundo a Agência das Nações Unidas para os Refugiados. Entre eles estão 40 milhões de deslocados internos, 3,1 milhões de requerentes de asilo, e quase 25,4 milhões de refugiados, dos quais mais de metade são crianças.
Teresa Tito de Morais é a conferencista convidada para nos ajudar a compreender melhor este mundo, onde a cada dois segundos uma pessoa é forçada a deslocar-se como resultado de conflito, perseguição ou violência, e a olhar para a história que cada uma carrega consigo e não apenas para os números.
Fundadora e presidente do Conselho Português para os Refugiados (CPR) desde 1991, Teresa Tito de Morais tem um percurso importante, que começou anteriormente, dedicado à construção de uma agenda nacional pelos direitos dos refugiados. No CPR, sob sua liderança, uma equipa de mais de 70 pessoas procuram diariamente soluções duradouras e sustentáveis para o acolhimento e integração dos refugiados em Portugal.
Durante a denominada 'crise dos refugiados', com pico mediático em 2015 e 2016, as televisões e os jornais mostravam, a um ritmo quase diário, imagens de milhares de pessoas a tentar chegar à Europa. Mas são as regiões em desenvolvimento que acolhem e apoiam cerca de 85% dos refugiados do mundo, com enorme impacto; algo que poderia ser uma responsabilidade global e partilhada.
Como lidar com as tensões provocadas pelo fluxo de refugiados (e migrantes), acentuadas nos últimos anos, uma crise simultaneamente humanitária e política?
Enquanto as causas que levam milhões de pessoas a fugir persistem ou emergem, os refugiados continuarão a deslocar-se para onde acham que podem recomeçar as suas vidas em segurança. É essencial colocarmo-nos na sua pele, perceber as razões porque deixam as suas casas e porque arriscam a vida sabendo as dificuldades que têm pela frente. E se fosse consigo? 2018-07-16
 
Arouca

Domingo, 19 de Agosto de 2018

Actual
Temp: 20º
Vento: ESE a 3 km/h
Precip: 0 mm
Céu Limpo
Seg
T 30º
V 5 km/h
Ter
T 32º
V 3 km/h
PUB.
PUB.
 
INQUÉRITO
Gosta do nome "508 Arouca" para a futura ponte suspensa sobre o rio Paiva?
 
 
A Frase...

"Na cor política já se sabe que Margarida Belém só olha para três freguesias e sabemos todos quais são..."

Fernando Ribeiro, presidente da JF Chave, em entrevista ao RV

EDIÇÃO IMPRESSA

RSS Adicione ao Google Adicione ao NetVibes Adicione ao Yahoo!
PUB.
Desenvolvido por Hugo Valente | Powered By xSitev2p | Design By Coisas da Web | 34 visitantes online