LUIS BRANDÃO
 
Arouca precisa de um auditório?
 
OPINIÃO | Um local que estimule sinergias entre associações de teatro, dança, música, artes...
 
  Outras acções...
 Enviar a um amigo
 sugerir site
Arouca há muito anseia pela construção do auditório municipal, com capacidade para receber um grande número de espetadores e espetáculos de diverso tipo. É um desejo coletivo com pelo menos duas décadas e ainda por materializar.
O projeto chegou a ser anunciado em 2008, a nascente do Museu Municipal. Dois anos depois, aquando da reformulação da escola secundária, acreditava-se que o pavilhão gimnodesportivo, dotado das necessárias condições funcionais e acústicas, seria alternativa. Em 2011, com o pedido de ajuda internacional e suspensão de novos investimentos públicos, o projeto tornou-se um desejo longínquo.
Animados pelas autárquicas de 2021, e talvez pelos fundos do PRR, várias candidaturas voltaram ao tema e prometeram que seria concretizada a obra. Estamos há 20 anos a pensar esta necessidade. Contudo, não foram duas décadas sem concertos, teatro ou espetáculos de dança, por não existir a infraestrutura.
Coloca-se a questão: Arouca precisa mesmo de um auditório?
Não precisa assim tanto se este servir para receber dois/três concertos de orquestras sinfónicas, uma ou outra companhia de teatro ou um ocasional espetáculo de dança. O investimento seria desproporcional e, para isso, poderemos optar por espetáculos ao ar livre, na praça, em pleno verão.
Conclusão: Não precisamos de um auditório se este não for agregador e dinamizador da cultura Concelhia. Porém, se a pergunta for: Precisamos de um centro de artes - com auditório polivalente, espaços de ensaio, oficinas criativas e salas de ofícios e artesanato - onde possam coexistir diversas instituições? A resposta é: Sim, claro que precisamos!
Precisamos de um centro de incubação de arte que crie comunidade. Precisamos de um local que estimule sinergias entre associações de teatro, dança, música, artes... Precisamos de um centro que fomente a dinâmica social e coloque os arouquenses a querer inovar, produzir e ser criativo. Precisamos de uma estrutura que possa ser sede de grupos já existentes e que estimule a criação de novos (como grupos de teatro, corais ou de pintura, bandas ou associações juvenis). Precisamos de uma infraestrutura que agite; que permita partilhar saberes e vivências. E seria ótimo articular a proposta de um auditório com o arquivo municipal.
Mais do que um (simples) auditório precisamos de um equipamento cultural, versátil e com programação regular, que permita preservar, estimular e difundir a identidade de Arouca, o seu dinamismo associativo, a sua cultura característica e a sua história singular.

[a ler]: As Cidades Invisíveis - Italo Calvino
Neste livro o personagem Marco Polo descreve a Kublai Khan as várias cidades que visitou na sua viagem pelo mundo. Porém, cada cidade é um traço de personalidade de uma sociedade, uma mera perceção do observador ou um sonho fantástico de Marco.
Calvino traz-nos, nesta sua obra, a clareza de que um qualquer lugar é maioritariamente um feito social e, então, um elemento volúvel para lá do seu espaço físico.

 
Arouca

Domingo, 16 de Janeiro de 2022

Actual
Temp: 11º
Vento: SE a 2 km/h
Precip: 0 mm
Pouco Nublado
Seg
T 13º
V 2 km/h
Ter
T 12º
V 2 km/h
PUB.
PUB.
 
 
A Frase...

"É minha intenção implementar um conjunto de medidas que estimulem a participação dos arouquenses nas sessões da AM"

Pedro Vieira, presidente da Assembleia Municipal, em entrevista ao RV

EDIÇÃO IMPRESSA

RSS Adicione ao Google Adicione ao NetVibes Adicione ao Yahoo!
PUB.
Desenvolvido por Hugo Valente | Powered By xSitev2p | Design By Coisas da Web | 47 visitantes online