PEDRO QUARESMA
 
Porque continuam os grandes incêndios?
 
OPINIÃO | Portugal sem fogos é uma utopia perigosa
 
  Outras acções...
 Enviar a um amigo
 sugerir site
Porque cada dia que passa, com a gradual acumulação de biomassa, se torna inevitável que tal aconteça. Quando o discurso se centra no reforço da prevenção, mas apenas se assiste à constituição de faixas que visam proteger pessoas e bens e não interferem na melhoria da gestão da floresta ou na mudança da paisagem. Continuaremos a assistir a grandes incêndios florestais se não tomarmos medidas para reduzir a carga de biomassa e alterar a paisagem. No entanto, todos os estímulos para que tal aconteça vão no sentido contrário. Ao retirarmos a vertente económica da floresta, ao criminalizarmos os proprietários florestais e responsabilizarmo-los pela segurança de terceiros, estamos a dar um sinal oposto ao que seria recomendável.
Quando a opinião pública entende a floresta como um bem comum, nega-lhes o direito de retirar rendimentos, quando entende a floresta como uma ameaça, exige-lhes o dever de gerir e de proteger.
Os fogos florestais são inevitáveis, fazem parte do ecossistema em que nos inserimos. No entanto, podemos aspirar a limitar a sua intensidade e o seu impacto, nunca a sua ocorrência. Porque Portugal sem fogos é uma utopia perigosa e desprovida de qualquer realismo. Por isso se torna tão preponderante gerirmos verdadeiramente a floresta. No decorrer do mês de Julho continuamos a assistir ao mesmo procedimento e ao mesmo resultado, o fogo parará quando não tiver mais combustível e andaremos a correr atrás, como foi típico no incêndio que assolou Mação. Das medidas legislativas contida na dita "reforma florestal", qual ou quais é que terão verdadeiro impacto na gestão da floresta e na disponibilidade de biomassa? Em Arouca, quando sabemos que o incêndio de 2005 e 2016, seguiu o mesmo caminho e teve, mais ou menos, o mesmo resultado, que poderemos fazer ao nível da gestão da floresta para evitarmos que o mesmo aconteça, pelo menos com a mesma dimensão, daqui a poucos anos?
Andamos iludidos com as faixas em redor das edificações e das estradas, que muitas vezes são casos de código civil e litigância entre vizinhos, e pouco de gestão da floresta ou de risco de incêndio.
Há pouco tempo, num seminário sobre formas de dinamizar a economia na Beira Interior, um orador perguntava ao Presidente da Câmara quantas vezes no ano lectivo dava chanfana ou carne criada localmente aos alunos do seu concelho. A resposta, como se esperava, foi negativa. Se queremos dinamizar a economia ligava à floresta, neste caso, animal, teremos de ser capazes de fomentar o seu aumento através da geração de riqueza e de rendimento, sob pena de termos um discurso alinhado com as directrizes urbanas, mas desalinhado com a realidade. Andando constantemente pasmados com a inevitabilidade da degradação da economia rural.
Em vez disso, andamos a criar entidades em cima das que existem e a reforçar em meios técnicos, pasme-se, na vertente do combate. Mas continuamos a correr atrás da fera... Penso que precisamos de um reset...
 
Arouca

Quinta, 21 de Novembro de 2019

Actual
Temp: 9º
Vento: SW a 2 km/h
Precip: 0.1 mm
Nublado
Sex
T 12º
V 8 km/h
Sáb
T 10º
V 3 km/h
PUB.
PUB.
 
 
A Frase...

"Pretendemos que a Junta possa ter maior autonomia e fazer um serviço melhor do que aquele que está a ser executado"

Vitor Arouca, da Assembleia de Freguesia Arouca-Burgo, sobre a proposta de transferência de competências, ao RV

EDIÇÃO IMPRESSA

RSS Adicione ao Google Adicione ao NetVibes Adicione ao Yahoo!
PUB.
Desenvolvido por Hugo Valente | Powered By xSitev2p | Design By Coisas da Web | 29 visitantes online