PEDRO QUARESMA
 
Porque continuam os grandes incêndios?
 
OPINIÃO | Portugal sem fogos é uma utopia perigosa
 
  Outras acções...
 Enviar a um amigo
 sugerir site
Porque cada dia que passa, com a gradual acumulação de biomassa, se torna inevitável que tal aconteça. Quando o discurso se centra no reforço da prevenção, mas apenas se assiste à constituição de faixas que visam proteger pessoas e bens e não interferem na melhoria da gestão da floresta ou na mudança da paisagem. Continuaremos a assistir a grandes incêndios florestais se não tomarmos medidas para reduzir a carga de biomassa e alterar a paisagem. No entanto, todos os estímulos para que tal aconteça vão no sentido contrário. Ao retirarmos a vertente económica da floresta, ao criminalizarmos os proprietários florestais e responsabilizarmo-los pela segurança de terceiros, estamos a dar um sinal oposto ao que seria recomendável.
Quando a opinião pública entende a floresta como um bem comum, nega-lhes o direito de retirar rendimentos, quando entende a floresta como uma ameaça, exige-lhes o dever de gerir e de proteger.
Os fogos florestais são inevitáveis, fazem parte do ecossistema em que nos inserimos. No entanto, podemos aspirar a limitar a sua intensidade e o seu impacto, nunca a sua ocorrência. Porque Portugal sem fogos é uma utopia perigosa e desprovida de qualquer realismo. Por isso se torna tão preponderante gerirmos verdadeiramente a floresta. No decorrer do mês de Julho continuamos a assistir ao mesmo procedimento e ao mesmo resultado, o fogo parará quando não tiver mais combustível e andaremos a correr atrás, como foi típico no incêndio que assolou Mação. Das medidas legislativas contida na dita "reforma florestal", qual ou quais é que terão verdadeiro impacto na gestão da floresta e na disponibilidade de biomassa? Em Arouca, quando sabemos que o incêndio de 2005 e 2016, seguiu o mesmo caminho e teve, mais ou menos, o mesmo resultado, que poderemos fazer ao nível da gestão da floresta para evitarmos que o mesmo aconteça, pelo menos com a mesma dimensão, daqui a poucos anos?
Andamos iludidos com as faixas em redor das edificações e das estradas, que muitas vezes são casos de código civil e litigância entre vizinhos, e pouco de gestão da floresta ou de risco de incêndio.
Há pouco tempo, num seminário sobre formas de dinamizar a economia na Beira Interior, um orador perguntava ao Presidente da Câmara quantas vezes no ano lectivo dava chanfana ou carne criada localmente aos alunos do seu concelho. A resposta, como se esperava, foi negativa. Se queremos dinamizar a economia ligava à floresta, neste caso, animal, teremos de ser capazes de fomentar o seu aumento através da geração de riqueza e de rendimento, sob pena de termos um discurso alinhado com as directrizes urbanas, mas desalinhado com a realidade. Andando constantemente pasmados com a inevitabilidade da degradação da economia rural.
Em vez disso, andamos a criar entidades em cima das que existem e a reforçar em meios técnicos, pasme-se, na vertente do combate. Mas continuamos a correr atrás da fera... Penso que precisamos de um reset...
 
Arouca

Terça, 17 de Setembro de 2019

Actual
Temp: 18º
Vento: ESE a 3 km/h
Precip: 0 mm
Nublado
Qua
T 25º
V 0 km/h
Qui
T 26º
V 0 km/h
PUB.
PUB.
 
PUB.
INQUÉRITO
No ano em que a Feira das Colheitas assinala as bodas de diamante (75°), a organização deve reforçar a aposta...
 
 
A Frase...

"Podemos pensar e sonhar que iremos subir de divisão"

Henrique Nunes, treinador do FCA, em entrevista ao RV

EDIÇÃO IMPRESSA

RSS Adicione ao Google Adicione ao NetVibes Adicione ao Yahoo!
PUB.
Desenvolvido por Hugo Valente | Powered By xSitev2p | Design By Coisas da Web | 25 visitantes online