CÁTIA CARDOSO
 
Um aldeia à venda
 
OPINIÃO | Torna-se impossível ficarmos indiferentes com tal cenário
 
  Outras acções...
 Enviar a um amigo
 sugerir site
Em Arouca, há, incontestavelmente, um antes e um depois dos Passadiços do Paiva. E é possível que, de todos os Lugares do concelho, a aldeia cujo antes e depois é mais notório seja aquela onde se encontra um dos extremos da estrutura.
Localizada numa das pontas do concelho, a Espiunca caracterizava-se, antes, pelo sossego interrompido apenas pelo som do correr do rio e balidos dos caprinos, pelas casas de xisto, muitas já abandonadas por aqueles que largaram a aldeia à procura de outra vida (talvez achando esses que há vida melhor do que viver ali).
Existe agora o depois, para esta aldeia cuja história vivera até então marcada, entre tudo aquilo que o tempo apagou, pelo rio que serviu de via de comunicação e passagem de produtos e pelo mosteiro que terá existido no local onde hoje está um campo, onde terão sido recolhidos materiais como fragmentos de telha, colunas, pias e azulejos hispano-árabes.
"Documentado pelo menos desde 1199, o pequeno mosteiro feminino da Espiunca, da regra de S. Bento, terá sido extinto no século XVI, tendo as freiras sido deslocadas para o Mosteiro de S. Bento da Avé-Maria, no Porto" (in Memórias da Terra).
E esse depois vê a sua história marcada não apenas pelo melhor projeto de desenvolvimento turístico mas também por todas as consequências deste, sejam elas positivas ou nefastas.
As multidões que, enfim, invadem, desde 2015, a aldeia são mais fáceis de suportar do que as inúmeras placas a dizer "Vende-se" com diferentes contactos que se estendem nas casas e terrenos, situados perto do rio. É possível que seja a nossa veia de patriotismo a falar mais alto, contudo, torna-se impossível ficarmos indiferentes perante tal cenário, que provoca inclusive a sensação de receio perante aquilo em que poderemos ver uma das nossas aldeias transformada.
Hoje - hoje mesmo no momento em que esta crónica é escrita - a Espiunca é uma aldeia à venda. Para construir, para reconstruir, para que os compradores - ou investidores - possam fazer o que quiserem.
E não há mal nenhum em dar vida às nossas aldeias, outrora descoradas pelo tempo e pelos que lhes viraram as costas, não há mal nenhum em potencializá-las, mostrando-as ao mundo e fazendo-o invejar quem aqui nasceu e cresceu. Também não há mal nenhum em receber quem vem de fora nas nossas casas que, não há mal nenhum, reconstruirmos. Porque o que é nosso é bonito e não deve dominar o
egocentrismo de não o partilharmos com quem não vive em tal realidade. O mal está em destruirmos a essência dos nossos Lugares, descaracterizando-os e despontencializando-os.
A Espiunca é um Lugar especial por ser uma aldeia plantada à beira rio - uma aldeia! - com casas de xisto e campos onde pastam animais em liberdade - campos! animais! liberdade!
No dia em que a Espiunca tiver - e rezemos para que nunca lá chegue - mais turismo e negócios e menos a sua essência, então perdemos todos. Perdemos nós, os das margens do Paiva e arouquenses no geral, porque deixamos perder-se uma aldeia histórica e perdem os que cá chegam na expectativa do especial e encontram o banal. A hotelaria não rural, por exemplo, não integra a essência desta aldeia.
Por isso, chegar hoje à Espiunca e sentir que estamos numa imobiliária, perante tantas placas de venda, deixa a sensação de desconforto e medo. Que nunca passe disso. Que vendam e comprem, mas que, quem o fizer, tenha em mente aquilo que a aldeia e procure contribuir para a continuidade de um espaço aprazível, fiel às suas tradições e história.
Há, em suma, que preservar a essência desta aldeia, pois se não soubermos preservar, mais tarde, não teremos o que potencializar. Que a Espiunca seja, então e sempre, exemplo dos Lugares mais bonitos deste concelho abençoado e das aldeias mais bonitas do mundo (basta aos olhos dos que, de alguma forma, lhe pertencem). Que possamos sempre cair na apreensão de a descrevermos, pela responsabilidade que é conseguir fazer jus aos seus encantos.
 
Arouca

Quinta, 20 de Fevereiro de 2020

Actual
Temp: 15º
Vento: N a 2 km/h
Precip: 0 mm
Céu Limpo
Sex
T 16º
V 5 km/h
Sáb
T 19º
V 0 km/h
PUB.
PUB.
 
 
A Frase...

"O facto de sermos uma Junta independente não nos tem facilitado em nada"

Adriano Francisco, presidente da JF Tropeço, em entrevista ao RV

EDIÇÃO IMPRESSA

RSS Adicione ao Google Adicione ao NetVibes Adicione ao Yahoo!
PUB.
Desenvolvido por Hugo Valente | Powered By xSitev2p | Design By Coisas da Web | 13 visitantes online