PAULO MILER
 
26 de Maio, o dia que abriu as hostes da parada política
 
OPINIÃO | A celebração da democracia: o mais perfeito dos imperfeitos sistemas
 
  Outras acções...
 Enviar a um amigo
 sugerir site
As Eleições Europeias ainda operam como rentrée política de outras batalhas eleitorais para os partidos políticos, numa natural aceção porquanto o lapso temporal para com as legislativas assim o exige, materializadas numa espécie de Santo Graal político, partilhado pelos media, pelos partidos políticos e seus intervenientes e, com particular ênfase, pelo eleitor, dada a importância que têm no seu quotidiano.
Mais do que a importância "palpável", a importância que o próprio perceciona. E a pertinência dessa perceção aos olhos do eleitor face à importância que um período eleitoral tem para as suas vidas dependerá não apenas, mas sobretudo do reflexo que os media e a classe política exibem. Por isso se diz no "submundo" popular que a política é o espelho da sociedade, razão pela qual se paralelizam as responsabilidades de cada estrato. De um lado, o eleitor alheado e descrente, sentimentos expressos na ausência de pegada nas urnas e desconsideração por um dever cívico consciente; do outro lado, a classe política, atada ainda aos novelos de campanhas eleitorais empoeiradas, desajustadas ao, não necessariamente admirável, mas real, mundo novo. O desapego pelas causas que tantos jovens consegue cativar e mover, mesmo que em certos casos as consideremos esvaziadas de substância, também sobrecarrega a responsabilização que lhes é atribuída. Sim, refiro-me à percentagem recorde de abstencionistas que se verificou em Portugal nestas Eleições Europeias.
Não embarcando em juízos condescendentes, considero que a partilha de responsabilidades deverá ser pesada, por forma a não extremar posições e cair na tentação de se diabolizar seja a classe política, seja o eleitor, em particular o abstencionista.
Porém, as ilações retiram-se em função da perceção que temos, a nossa, a de cada um. E, efetivamente, a "nacionalização" destas eleições europeias motivada pelo timoneiro da "Geringonça" não foi, de todo, o melhor rumo a tomar para suscitar o interesse pelas matérias europeias, cruciais no quotidiano do cidadão. Muito pelo contrário: agravou ainda mais o fosso entre o eleitor e Bruxelas, quando se exigia, da parte de quem nos governa, um melhor exemplo. Instrumentalizar eleições para os representantes de Portugal no Parlamento Europeu para fazer propaganda dos seus (supostos) feitos a nível nacional desprestigiou as mesmas e só fez com que se perdesse uma oportunidade para contrariar o alheamento, sobretudo dos jovens, para com a apreensão do projeto europeu e seus meandros.
Houve quem, no entanto, tentasse remar contra a maré.
Todavia, como as perceções também se preenchem com números, seria desonesto se não evidenciasse
a derrota do PSD nestas eleições europeias, mesmo que condicionada pelos fatores referidos, e que, logicamente, implicará a necessária ponderação.
Da minha parte, enquanto mandatário concelhio da candidatura do PSD às Eleições Europeias, encabeçada por Paulo Rangel, senti-me honrado pela vitória alcançada em Arouca, aproveitando o ensejo para agradecer a confiança que os arouquenses depositaram no projeto europeu delineado pela candidatura à qual não hesitei em prestar o meu contributo. Perante a "neblina" de desinformação e desvario que durante a campanha se foi propagando, entre os arouquenses imperou a lucidez, a clarividência, sem desprimor, obviamente, dos que, legitimamente, confiaram o seu voto num outro projeto político no qual se reviam.
No final de contas, é a celebração da democracia: o mais perfeito dos imperfeitos sistemas, com tudo o que isso acarreta, nomeadamente a preocupante abstenção.
Esperemos que a "reflexão" que tantos exigem e exorbitam no rescaldo eleitoral não se fique pelo clichê a que vamos assistindo; que não se culpabilizem apenas os jovens "desligados" sem o assacar de responsabilidades de quem os representa; principalmente, que as soluções não redundem nos extremismos que tanto tentamos combater mas que, à mínima contrariedade e no fervor do momento, acabamos momentaneamente por ceder.
Sairemos certamente todos a ganhar, conscientes do papel que cada um desempenha e da responsabilidade que lhes é devida.
 
Arouca

Terça, 16 de Julho de 2019

Actual
Temp: 17º
Vento: ENE a 2 km/h
Precip: 0 mm
Céu Limpo
Qua
T 25º
V 3 km/h
Qui
T 25º
V 3 km/h
PUB.
PUB.
 
INQUÉRITO
A providência cautelar interposta pela Lista A às eleições do FCA vai ter como desfecho o...
 
 
A Frase...

"Mansores está em contra-ciclo, no próximo ano lectivo vamos abrir duas salas de ensino pré-escolar com quarenta crianças"

Jorge Oliveira, presidente da JF Mansores, em declarações ao RV

PUB.
EDIÇÃO IMPRESSA

RSS Adicione ao Google Adicione ao NetVibes Adicione ao Yahoo!
PUB.
Desenvolvido por Hugo Valente | Powered By xSitev2p | Design By Coisas da Web | 26 visitantes online