CÁTIA CARDOSO
 
Viagem ao passado
 
OPINIÃO | Cerca de oito séculos depois, continuamos a pisar a mesma terra
 
  Outras acções...
 Enviar a um amigo
 sugerir site
Falarmos de Lugares é falarmos da nossa história e do nosso património em comunhão natural com a nossa identidade. E é já sabido que precisamos de estudar o passado para compreendermos o presente e, por vezes, prevermos aspetos do futuro. Não conseguimos, porém, adivinhar aquilo que a terra e o tempo escondem sem recorrermos a uma das mais fascinantes ciências: a arqueologia.
É graças à arqueologia que verificamos a grandiosidade do monte de São João de Valinhas, localizado em Santa Eulália, também ele um contorno da vila de Arouca.
Subir a Valinhas é, desde logo, respirar natureza. Chegados ao cimo do monte, somos confrontados, quase sem fôlego, com o vale e com o eco da nossa voz. Olhamos em redor e aquilo que mais vemos é literalmente monte, no entanto, há uma mística que nos envolve para dizer que ali há mais do que aquilo que os nossos olhos veem.
Felizmente, a ciência fascinante recupera a memória da terra. E diz-nos que quando a Península Ibérica esteve sob dominação romana (falamos de tempos antes de Cristo, imagine-se!) era no monte de São João de Valinhas que estava instalado o principal povoamento de Arouca. Ter-se-á fixado em Valinhas uma comunidade da época castreja, ou seja, entre os séculos X e VIII antes de Cristo. Os trabalhos arqueológicos desenvolvidos neste território levam ainda a crer que ali tenha existido um castelo roqueiro, conhecido nos documentos contemporâneos como o Castelo de Arouca.
É, na verdade, fácil imaginar a construção. A vista estratégica que Valinhas oferece é indiscutível. Hoje, sem castelo, ainda nos comove tal quadro. Subir a Valinhas é também viajar no tempo. E cremos que é uma das viagens mais longínquas que Arouca nos oferece atualmente.
Os arqueólogos, que têm vindo a estudar Valinhas desde 1988, acreditam que o castelo terá existido na altura de Reconquista Cristã e apontam para os séculos X e XI, sendo que as escavações permitiram encontrar vestígios de diversos objetos, tais como: panelas, alfinetes, taças, moedas, jarros, potes, pregos, fivelas, pontas e lâminas. Estes achados de peças que fariam parte do quotidiano dos nossos antepassados permitem, assim, a verificação da presença humana naquele espaço. O Castelo de Arouca terá estado erguido até finais do século XII, início do século XIII.
São Memórias da Terra com mais de 2000 anos que pertencem a todos e que estão reunidas em livro, felizmente, para satisfazer a curiosidade daqueles que anseiam conhecer o património do concelho.
Cerca de oito séculos depois, continuamos a pisar a mesma terra e a ter uma vista soberba sob o vale de Arouca. Daqui a 800 anos, talvez, se continue a vasculhar a terra em prol de construir a história (talvez os livros não consigam contar tudo e a terra seja mais fidedigna).
O certo é que o monte de São João de Valinhas é um poço fundo de património (cremos acreditar que ainda há por lá peças perdidas para acrescentar ao puzzle). Visitar este espaço é entrar em contacto direto com a natureza e com a história - a nossa, nossa porque somos arouquenses, mas nossa porque somos portugueses e, principalmente, humanos. A história da humanidade será sempre fascinante, conhecê-la nunca será obrigação, mas sim uma vontade incomensurável.
Pisar, hoje, a mesma terra que pessoas que viveram há mais de 2000 anos constitui o direito e o desejo de obter tantas informações quantas possíveis sobre as suas vivências e costumes (falando claramente mais pelo lado humano do que pelo científico).
E, por isso, sempre que quisermos viajar até ao passado é em Valinhas que encontraremos o bilhete de ida. Voltamos quando quisermos.

NOTA: o livro que auxiliou a escrita desta crónica chama-se precisamente "Memórias da Terra", tem coordenação de António Manuel S. P. Silva e é uma edição da Câmara Municipal de Arouca, de 2004.

 
Arouca

Domingo, 18 de Agosto de 2019

Actual
Temp: 20º
Vento: WSW a 3 km/h
Precip: 0.8 mm
Aguaceiros
Seg
T 22º
V 2 km/h
Ter
T 25º
V 2 km/h
PUB.
PUB.
 
INQUÉRITO
Arouca está bem representada nas listas de candidatos às Eleições Legislativas?
 
 
A Frase...

"A prevenção é decisiva no combate aos incêndios"

José Manuel Gonçalves, comandante dos BVA, em entrevista ao RV

PUB.
EDIÇÃO IMPRESSA

RSS Adicione ao Google Adicione ao NetVibes Adicione ao Yahoo!
PUB.
Desenvolvido por Hugo Valente | Powered By xSitev2p | Design By Coisas da Web | 35 visitantes online