PEDRO VIEIRA
 
Regresso ao passado?
 
OPINIÃO | Entre nós vejo adeptos dos mesmos métodos de “Jair” para difundir a mensagem política
 
  Outras acções...
 Enviar a um amigo
 sugerir site
As sociedades atuais vivem momentos de tensão e de incerteza. A permanente ameaça do terrorismo e as crises económicas e sociais fazem emergir os receios do passado. A ideia de que a história se repete não é nova: os gregos e os romanos acreditavam que a história se repetia e que os regimes políticos evoluíam de democracias para a demagogias e destas para tiranias. A França reuniu no passado fim-de-semana os Chefes de Estado de vários países do Mundo para uma cerimónia que assinalou o centenário do Armistício, que colocou fim à Primeira Guerra Mundial. E aqui temos um bom exemplo de repetição da história e da forma como emergiu um dos mais terríveis e sanguinários ditadores que a história conheceu. Tudo começou devido às dificuldades geradas pela agitação social e económica do pós-guerra, pelo receio de uma possível tomada do poder pelos comunistas, e com a dúvida sobre outras soluções democráticas pluralistas. Isto alimentou o desejo da população num governo com grande autoridade, um tipo de liderança que os alemães encontraram em Adolf Hitler e no seu Partido Nazi. Este eterno retorno dos regimes fascistas que paira sobre as nossas democracias vai-se revelando aqui e acolá. É por isso que, a cada eleição em França, em que Le Pen se apresenta a eleições, surge o temor do regresso do fascismo. No caso do Brasil, a instabilidade social e política gerada na sequência dos escândalos do PT, a crise económica e a enorme criminalidade que se faz sentir no país, alimentaram o desejo na população de um governo com grande autoridade, capaz de por cobro à grave situação em que o país se encontra mergulhado. Jair Bolsonaro representa essa autoridade e personifica a ideia de uma liderança forte que a crise política e económica fez emergir. Entre nós vejo alguns adeptos de Jair Bolsonaro. São os mesmos que olham para Trump como aquele que desafiou os cânones da política e da diplomacia internacional. São adeptos dos mesmos métodos de "Jair" para difundir a mensagem política, fazendo da falsidade o seu modus operandi. Falsos moralistas que do populismo fazem um modo de estar na vida, comportamento que o cidadão esclarecido tende a repudiar. Mas existe uma diferença entre Trump e Bolsonaro e entre estes e aqueles. O primeiro, com os seus meneios ridículos e com os seus tiques despóticos, contrastantes com a figura de grande nível do seu antecessor, não parece representar a figura de um fascista. Já quanto ao segundo, não posso deixar de reconhecer que, de facto, existem sinais que podem indiciar o contrário. Os outros, têm os tiques e a prepotência do Trump e seguem os métodos do Bolsonaro, mas dificilmente terão o reconhecimento social porque tais métodos não são apreciados nas redondezas. Os receios sobre Bolsonaro e sobre as políticas que pode adotar têm ocupado muitas páginas dos jornais. Apesar da política neoliberal que parece estar presente no seu programa económico, o receio da ditadura militar, da qual parece ser adepto é bem real e representa um sinal muito preocupante. A história demonstra, também aqui, que uma coisa e a outra são compatíveis, pelo que os receios são verdadeiramente legítimos.
Alguns pensadores reconhecem que o retorno do fascismo é uma inevitabilidade e que a sociedade tem fantasmas que se negam a morrer. Sobretudo, as dominadas pela incerteza e pelo medo, que são propensas ao surgimento de lideranças como estas. Mas será que a história se repetirá ou as sociedades democráticas atuais não permitirão o renascer do fascismo tal como a história o descreve? Infelizmente não podemos dizer categoricamente que a sociedade atual é capaz de evitar o surgimento de tais lideranças, que parecem reunir cada vez mais adeptos. Cabe-nos difundir uma mensagem de uma sociedade inspirada nos valores democráticos e humanistas, capaz de corresponder aos verdadeiros anseios de todos.

(texto publicado na edição impressa do RODA VIVA jornal de 2018.11.15)

 
Arouca

Terça, 18 de Dezembro de 2018

Actual
Temp: 10º
Vento: W a 5 km/h
Precip: 1.8 mm
Aguaceiros
Qua
T 11º
V 3 km/h
Qui
T 11º
V 3 km/h
PUB.
PUB.
 
INQUÉRITO
Onde vai passar o 'reveillon' este ano?
 
 
A Frase...

"A AECA existe há 27 anos e sempre valorizou o colectivo em detrimento do individual"

Carlos Brandão, presidente da associação empresarial, na cerimónia de aniversário

EDIÇÃO IMPRESSA

RSS Adicione ao Google Adicione ao NetVibes Adicione ao Yahoo!
PUB.
Desenvolvido por Hugo Valente | Powered By xSitev2p | Design By Coisas da Web | 38 visitantes online