ELÍSIO AZEVEDO
 
Chegou a primavera
 
OPINIÃO | As pequenas ‘leiras de monte’ passaram a ter mais um encargo obrigatório
 
  Outras acções...
 Enviar a um amigo
 sugerir site
Depois de um Outono que não deixa saudades e de um Verão que não mais será esquecido, chegou a Primavera - uma quarta-feira de sol luminoso e um céu azul sem farrapo de nuvem.
A natureza, castigada por um longo Inverno, resplandecia, mas logo regressou a ventania e a chuva, a geada e o granizo, anunciando um Abril de "águas mil" que vai obrigar a queimar o "carro e o carril" no aconchego do lar e anuncia um Maio em que as primeiras cerejas "se comem ao borralho" - é a tradição que se cumpre e o saber popular se confirma.
Para além disso, os partidos políticos, na Assembleia da República e fora dela, continuaram a trocar acusações e atribuir responsabilidades uns aos outros pelas falhas que potenciaram a violência dos incêndios que devastaram riquezas e espalharam o luto, numa tragédia sem precedentes - teria sido bem útil que todos tivessem assumido as suas próprias responsabilidades, tomando decisões ou, pelo menos, seguindo o exemplo do Presidente da República, todos vestindo a preceito, de roçadora em punho e meios de comunicação social a trás, tivessem dado uma ajuda na limpeza das matas.
Todos sabem, todos sabemos, que para além das contingências e adversidades, uma das principais razões pelas quais, todos os anos, ardem milhares de hectares de floresta, é a desertificação - é o abandono do interior, são as aldeias desertas ou onde apenas ainda residem populações envelhecidas; são escolas, tribunais e serviços, estações de correio e agências bancarias encerradas, é o abandono, é o esquecimento. O próprio governo o reconheceu, fazendo promessas, promessas em que já ninguém acredita e se repetem sempre que há eleiçôes à vista.
O Governo só foi rápido a legislar - a impor aos proprietários a limpeza dos terrenos à volta dos pequenos povoados e instalações dispersas e dez metros de cada lado de vias municipais, conferindo aos executivos o direito e a obrigação de substituir os proprietários que não o façam, procedendo depois à cobrança e confiscando, ainda por cima, a madeira abatida.
As pequenas leiras de monte, que sempre foram o magro mealheiro a que os proprietários das aldeias dispersas recorriam para enfrentar grandes e inesperadas dificuldades passaram a ter mais um encargo obrigatório que muitos dos que ainda não abandonaram a sua aldeia não têm forças para cumprir nem recursos para pagar.
O mealheiro transformou-se num encargo que se junta ao IMI e é por isso que ao longo de algumas vias municipais já se encontram cartazes anunciando a venda de pequenas "leiras de monte" que deixando de ser uma reserva a que se recorria em momentos difíceis, se transformaram em encargos que não têm forças para cumprir, nem meios para satisfazer.
Aproxima-se mais uma época de incêndios - partidos e Governo continuam a atribuir culpas uns aos outros mas de positivo e concreto para enfrentar a situação e de uma vez por todas olhar para o interior e combater as desigualdades e assimetrias regionais nada se fez, além de promessas em que poucos ou ninguém mesmo acredita.
Os incêndios também se combatem fiscalizando e, sobretudo, investindo no interior, criando infra-estruturas que atraiam investimentos e oportunidades de trabalho, em igualdade de circunstâncias com o litoral, no respeito pelas especificidades e recursos de cada uma das regiões.
Nunca mais vai ser esquecida a tragédia dos incêndios que enlutou o país em 2017, das vitimas cercadas pelo fogo, sufocadas pelo fumo, de que ninguém ouviu os gritos, que ninguém conseguiu socorrer - nunca mais vai ser esquecido o sofrimento de populações inteiras, nem, sobretudo, serão esquecidas as vitimas que o fogo causou e que não há indemnização que pague nem expiação que reconforte.
Não há dinheiro que pague uma vida e há feridas que nem o tempo cura...
 
Arouca

Domingo, 19 de Agosto de 2018

Actual
Temp: 20º
Vento: ESE a 3 km/h
Precip: 0 mm
Céu Limpo
Seg
T 30º
V 5 km/h
Ter
T 32º
V 3 km/h
PUB.
PUB.
 
INQUÉRITO
Gosta do nome "508 Arouca" para a futura ponte suspensa sobre o rio Paiva?
 
 
A Frase...

"Na cor política já se sabe que Margarida Belém só olha para três freguesias e sabemos todos quais são..."

Fernando Ribeiro, presidente da JF Chave, em entrevista ao RV

EDIÇÃO IMPRESSA

RSS Adicione ao Google Adicione ao NetVibes Adicione ao Yahoo!
PUB.
Desenvolvido por Hugo Valente | Powered By xSitev2p | Design By Coisas da Web | 37 visitantes online