FUTEBOL
 
FCA: Plano de insolvência revela mais dívida e mais credores
 
Processo 3568/20.1T8OAZ está no Tribunal do Comércio de Aveiro
SDUQ tem 'buraco' financeiro que ultrapassou os dois milhões de euros
 
  Outras acções...
 Enviar a um amigo
 sugerir site
Está em votação pelos credores o derradeiro plano de insolvência da sociedade desportiva do FC Arouca (SDUQ), última oportunidade para se salvar da extinção e liquidação. Apenas com a concordância de uma maioria qualificada dos 76 lesados [o número foi actualizado na mais recente listagem elaborada pelo administrador judicial e validada pelo tribunal] a entidade detida a 100% pelo clube arouquense e com gestão dirigida por Carlos Pinho poderá manter-se em actividade e escapar ao encerramento.
Em condições normais, a auscultação dos credores de uma entidade insolvente seria realizada em assembleia geral num espaço organizado para o efeito, contudo, a juíza do proc. 3568/20.1T8OAZ, invocando a pandemia em curso no país, decidiu antes pelo envio do plano a cada um dos interessados,
com dez dias para se pronunciarem.

Vereadores decidiram 'no escuro'

Com um crédito de mais de 22 mil euros sobre a SDUQ por esta ter faltado ao pagamento do aluguer do recinto desportivo onde se jogam partidas de futebol profissional, o Município de Arouca também recebeu o plano de insolvência e teve de se pronunciar. O assunto foi levado à reunião do executivo de dia 5 de Janeiro, sendo o ponto 6. dessa agenda, mas sabe o RODA VIVA que apenas foi posto à frente dos vereadores um memorando da presidente de Câmara, com duas opções: votar pela extinção da sociedade devedora, ou permitir a sua continuidade. O plano de insolvência e demais documentação
financeira (mais de 100 páginas) que acompanhava o ofício do Tribunal do Comércio não foi apresentado aos autarcas. A decisão tomada face ao que estava 'em cima da mesa' foi unânime: todos votaram pela não-liquidação da sociedade desportiva.

Números avassaladores

O dossiê enviado às dezenas de empresas e particulares com as contas da SDUQ do FCA mostra o ‘buraco' que o clube criou nos últimos anos. À dívida total recentemente apurada de 2.055.903,99 euros [o montante foi actualizado na mais recente listagem elaborada pelo administrador judicial e validada pelo tribunal, e já inclui juros], a entidade gestora do futebol que tem inscrição na Liga Portugal apenas tem activos de 840.475 euros, repartidos pelos ‘passes' de três jogadores (Adílio Santos, André Bukia e Thales Oleques), uma viatura ligeira, e alguns equipamentos e máquinas de escritório. Ou seja, a chamada ‘massa falida' da insolvente que está apreendida à guarda do administrador judicial é insuficiente para liquidar as dívidas acumuladas.
No plano de insolvência justifica-se as contas 'a vermelho' com as épocas futebolísticas em que a equipa profissional do FCA desceu desde a I Liga ao Campeonato de Portugal. No documento pode ler-se que «enquanto participante na principal competição do futebol português (...), para fazer face ao progressivo nível de exigência e competitividade, a FCA SDUQ, Lda. efectuou importantes investimentos», e com as descidas de divisão nos anos seguintes «as receitas passaram a ser insuficientes para suportar os custos». Depreende-se que na gestão da SDUQ não estavam acauteladas reservas financeiras para ‘tempos difíceis', apenas uma convicção de crescimento, ou no limite, a manutenção 'ad eternum' da equipa profissional nos maiores campeonatos do panorama nacional.
O próprio administrador judicial é taxativo nas suas conclusões e sublinha: «verifica-se a existência de uma manifesto desequilíbrio financeiro, impossibilitando a formação de recursos suficientes para honrar compromissos assumidos», com uma crescente «falta de fundo de maneio».
Na lista a quem a SDUQ deve dinheiro está a 'Construções Carlos Pinho, Lda', por ‘fornecimentos' [238.961,88 euros]; o jogador Cícero Semedo, por 'créditos laborais' [143.297,06 euros]; a 'Idoloásis, Lda.', por 'serviços' [268.409,59 euros]; o jogador Igor Stefanovic, por 'créditos laborais' [130.000 euros]; o Manchester City Football, Ltd., por 'cedência de atletas' [205.022,47 euros]; a Us11, Lda., por 'serviços' [73.800 euros]; e o próprio Futebol Clube de Arouca, por 'suprimentos' e 'subrogação' [322.870,39 euros], entre muitos outros.

O plano de insolvência

A intenção da componente do futebol profissional do FC Arouca para garantir a subsistência e buscar apoio aos credores baseia-se numa estratégia que passa pelo perdão de metade da dívida, e pagar o restante em prestações mensais durante dez anos, para os créditos comuns. Para o estado (fazenda
pública e segurança social) o pagamento integral em 12 e 60 prestações, respectivamente, e para os créditos a trabalhadores são propostos dois cenários: se o clube estiver na 2.ª Liga no início dos pagamentos (pagamento a 100 % em 96 prestações), se militar na 1.ª Liga (pagamento integral em 48
prestações).
É esta a proposta que aguarda decisão dos 76 credores da SDUQ (sociedade desportiva unipessoal por quotas). Depois de conferidos os seus votos, a juíza do processo traçará o destino da entidade insolvente. RV 2021-01-31

 
Arouca

Sexta, 07 de Maio de 2021

Actual
Temp: 17º
Vento: NNW a 3 km/h
Precip: 0 mm
Céu Limpo
Sáb
T 18º
V 2 km/h
Dom
T 13º
V 5 km/h
PUB.
PUB.
 
 
A Frase...

"Sentimo-nos motivados ao ter connosco uma equipa sólida e coesa"

Celso Portugal, empossado como presidente dos BVA para novo mandato, em declarações ao RV

EDIÇÃO IMPRESSA

RSS Adicione ao Google Adicione ao NetVibes Adicione ao Yahoo!
PUB.
Desenvolvido por Hugo Valente | Powered By xSitev2p | Design By Coisas da Web | 46 visitantes online