FUTEBOL
 
CRISE FCA: Presidente da Assembleia Geral responde
 
José Luis Silva e José Américo Quaresma na conferência de imprensa
José Luís Silva acredita numa solução viável e encara como prioritária a sustentabilidade do clube
 
  Outras acções...
 Enviar a um amigo
 sugerir site
Consumada a demissão em bloco da direcção e dos administradores da sociedade desportiva do FC Arouca, a 'batata quente' está agora nas mãos dos elementos da Assembleia Geral (AG), que terão de viabilizar os procedimentos necessários para um regresso do clube à normalidade institucional e competitiva. Acompanhado, na conferência de imprensa de 25 de Maio, por José Américo Quaresma [vice-presidente da mesa da AG], o presidente da AG, José Luís Silva, disponibilizou-se a responder ainda a várias questões respeitantes ao actual momento conturbado vivido pelo clube.

Cumprir os estatutos e fazer eleições em 29 de Junho

"O FC Arouca neste momento encontra-se numa situação de ausência de direcção e de gestores da SDUQ e é nossa intenção diligenciar no sentido de correr o processo para que o FC Arouca consiga encontrar soluções para poder inscrever-se no Campeonato de Portugal (CdP) na próxima época e poder manter minimamente o equilíbrio e a sustentabilidade" referiu. "Como membros da mesa, vamos diligenciar no sentido do que os estatutos prevêem e marcar as respectivas assembleias gerais", esclareceu, sendo que o novo acto eleitoral terá lugar em 29 de Junho.

Um PER no lugar da insolvência

O dirigente da AG voltou a afirmar que o pedido de insolvência nunca esteve nos planos da direção. "Tenho estado em contacto com elementos da direcção, já reuni com eles também, e nunca em qualquer momento esteve em cima da mesa o pedido de insolvência. A comunicação social é que passou essa informação para o público sem motivo aparente." No lugar da insolvência, "é natural que nesta fase o FC Arouca pense seriamente num processo especial de revitalização (PER) para recuperar e equilibrar minimamente a sua contabilidade", perspectiva o líder da AG, para quem as recentes descidas de divisão foram duros reveses que trouxeram um ónus muito acrescido em termos financeiros para o clube. "Neste momento, o FC Arouca terá de pensar seriamente na sua sustentabilidade, acima de tudo. Este é o objectivo principal nesta fase. E que o clube compita no CdP, mantendo contas rigorosas e sustentáveis.", priorizou o dirigente. "O FC Arouca tem contratos com jogadores que terão uma duração de mais algum tempo com vencimentos de certa forma elevados para a realidade do CdP. São estas e outras situações contratuais que estão a ser tratadas.", esclareceu José Luís Silva.

Nível do passivo está por apurar

Questionado sobre uma eventual subida no passivo vindo da época anterior, o presidente da AG anunciou não poder dar resposta fundamentada sobre esse assunto. "Eu não faço parte da direcção. O orçamento desta época [2018/2019] foi aprovado. As contas desta época ainda não foram apresentadas e aprovadas. Portanto, não sei se há ou não um aumento em relação a esse passivo."
Comunicação injusta para com Carlos Pinho
Depois dos êxitos que a liderança de Carlos Pinho conseguiu desde 2006, José Luís Silva lamenta a forma como as últimas incidências do clube foram tratadas publicamente. "Acho que houve muita comunicação social foi injusta para com Carlos Pinho, o que veio agravar a sua desmotivação. Não podemos retirar-lhe o mérito que teve." O representante dos sócios aponta para a confiança no futuro: "Neste momento não podemos estar a olhar para trás, temos de olhar para o presente e olhar para o futuro, resolver tendo em conta as melhores soluções para o clube e para a sua sustentabilidade."

União contra a crise

"O FC Arouca já teve tempos bons na sua história e também momentos difíceis e sempre conseguiu dar a volta por cima. Este é um momento difícil e por isso é preciso que haja união dos arouquenses e que se envolvam no clube. Estou convencido que não vão faltar pessoas que se envolverão neste processo e que apoiarão a futura direcção. Estou convencido que com maior ou menor dificuldade o FC Arouca conseguirá reequilibrar-se.", perspectivou o dirigente.

O FC Arouca não é o pior dos clubes

Em defesa do emblema arouquense, o presidente da AG criticou que o clube seja metido no mesmo saco que outros. "Neste processo que o FC Arouca está a passar nos últimos tempos, até parece que o FC Arouca se tornou no pior clube em termos de dívidas do país. Há muitos clubes do futebol profissional em pior situação que o FC Arouca, há clubes com muito mais meses de salários em atraso. O FC Arouca tem tudo regular com a segurança social e a nível de impostos também. A situação é difícil mas pode ser ultrapassada desde que haja estratégias para manter um equilíbrio sustentável. O FC Arouca não é um clube tão mau como alguma imprensa quis passar nos últimos tempos.", defendeu o dirigente associativo. 2019-05-26 MMS/RV

 
Arouca

Segunda, 17 de Junho de 2019

Actual
Temp: 21º
Vento: S a 3 km/h
Precip: 0 mm
Muito Nublado
Ter
T 19º
V 8 km/h
Qua
T 19º
V 5 km/h
PUB.
PUB.
 
PUB.
INQUÉRITO
Nas eleições para o FCA do próximo dia 29, vão surgir...
 
 
A Frase...

"É fundamental organizar o espaço, pensar o palco da vida individual e comunitária"

Sérgio Costa, jovem arquitecto arouquense galardoado com prémio da Universidade do Porto, em entrevista ao RV

EDIÇÃO IMPRESSA

RSS Adicione ao Google Adicione ao NetVibes Adicione ao Yahoo!
PUB.
Desenvolvido por Hugo Valente | Powered By xSitev2p | Design By Coisas da Web | 15 visitantes online