SOCIEDADE
 
Margarida Belém e Artur Neves acusados de prevaricação e falsificação agravada
 
Artur Neves e Margarida Belém a contas com a Justiça
Ministério Público acusa autarcas que em 2017 contrataram obras na véspera da campanha eleitoral. Empreiteiro também indiciado
 
  Outras acções...
 Enviar a um amigo
 sugerir site
Foi hoje deduzida acusação aos autarcas arouquenses Margarida Belém e Artur Neves por crimes de prevaricação e falsificação agravada, quando na véspera das eleições autárquicas de 2017 acordaram a contratação de obras de pavimentação nas freguesias de Chave e de Rossas sem o competente procedimento de contratação pública. Em nota publicada no site da Procuradoria Geral Distrital, o Ministério Público «considerou indiciado que o contrato foi celebrado sem a observação de qualquer procedimento legalmente estipulado para a contratação pública, de modo meramente verbal, ordenado pelo ex-presidente [Artur Neves] com o acordo da sua sucessora no cargo [Margarida Belém], para assegurar a maior votação possível na lista que o próprio (que concorria ao cargo de presidente da Assembleia Municipal) e a arguida (que concorria ao cargo de presidente da Câmara Municipal) integravam, e por outro lado, para permitir que a sociedade beneficiária [Construções Carlos Pinho, Lda.] se visse preferida na execução célere e no pagamento de obras a seu cargo; para o respectivo pagamento, a arguida [Margarida Belém], logo após o início das suas funções, cumprindo com o acordado com os demais arguidos, determinou a abertura de um procedimento por ajuste directo, pelo preço de 42.617,50€, tendo tal procedimento sido instruído pelos arguidos, ou a mando destes, com as peças do procedimento como se ainda não tivesse tido execução».
Acrescenta ainda a acusação que, «com a celebração deste contrato foram igualmente violados os limites trienais legais à data em vigor para a contratação por ajuste directo, por se tratar de adjudicação relativa a prestações do mesmo tipo ou idênticas a anteriores adjudicações ocorridas no ano económico e nos dois anos económicos anteriores celebrados com a mesma empresa».
Segundo despacho do MP datado de 7 de Novembro, o DIAP da Procuradoria da República de Aveiro (Santa Maria da Feira, 1.ª secção) requereu, em consequência, a perda das vantagens relativo ao valor do contrato. No processo judicial NUIPC 2390/18.0T9AVR é então deduziu acusação «contra dois arguidos, ex-presidente e presidente da Câmara Municipal de Arouca (e à data vice-presidente), pela prática de um crime de prevaricação de titular de cargo político e de um crime de falsificação de documento agravado. Com estes arguidos foi também acusado um arguido pelos mesmos crimes prevaricação por titular de cargo político e de falsificação agravada, assim como a sociedade (pessoa colectiva) por este gerida, pelo crime de falsificação agravada».
A notícia da investigação em curso fora publicada pelo RODA VIVA em Outubro de 2019. RV 2022-11-22


NOTÍCIA RELACIONADA: aqui
 
Arouca

Terça, 29 de Novembro de 2022

Serviço temporariamente indisponível!

PUB.
PUB.
 
 
A Frase...

"Quero ser sepultado com a farda dos Bombeiros Voluntários de Arouca"

Arlindo Soares, primeiro instrutor dos BVA, em entrevista ao RV

EDIÇÃO IMPRESSA

RSS Adicione ao Google Adicione ao NetVibes Adicione ao Yahoo!
PUB.
Desenvolvido por Hugo Valente | Powered By xSitev2p | Design By Coisas da Web | visitantes online