HISTÓRIA
 
A criação do Grémio da Lavoura e da Feira das Colheitas
 
Recolha de António Brandão de Pinho
INVESTIGAÇÃO | Realizava-se este fim-de-semana a mais importante manifestação identitária do concelho
 
  Outras acções...
 Enviar a um amigo
 sugerir site
A criação do Grémio da Lavoura de Arouca, organismo ao qual se deve a criação da Feira das Colheitas, começou a ser pensada logo no início de 1940, tendo a versão final dos seus Estatutos sido concluída em 30 de Março desse ano. Contudo, a aprovação das normas reguladoras e constituição oficial do Grémio só viria a concretizar-se cerca de um ano depois, pelo Alvará de Sua Excelência o Subsecretário de Estado das Corporações e Previdência Social, de 17 de Março de 1941. A primeira Direcção, no entanto, só veio a tomar posse em 28 de Outubro de 1941 e os últimos meses desse ano destinaram-se apenas à organização dos serviços e instalação do organismo.
O Grémio era constituído pelos produtores agrícolas do concelho e outros que, embora residissem fora, tinham ou exploravam terras em Arouca, ou seja, pelos proprietários ou exploradores de prédios rústicos como rendeiros, meeiros ou parceiros, ou administradores na ausência dos proprietários.
A Direcção era composta por um presidente, dois vogais e três substitutos, eleitos para mandatos de três anos, em eleição a ocorrer durante o mês de Fevereiro. As funções de Secretário e Tesoureiro eram desempenhadas pelos vogais, conforme fosse deliberado pela Direcção. Os serviços do Grémio estavam divididos em duas secções: uma de Serviços Gerais - vinhos e produtos não especificados, e outra de Lacticínios. Nos termos do disposto no Artigo 8.º as acções do Grémio eram chefiadas por um Gerente e por um adjunto contratado pela Direcção. Não podiam exercer conjuntamente as funções de directores os indivíduos que tivessem entre si parentesco até ao segundo grau da linha colateral.
Nos termos dos Estatutos, os membros da Direcção em exercício recebiam por cada sessão a que assistissem, uma retribuição de 30$00. O Presidente e o Tesoureiro tinham ainda direito a uma gratificação anual de 1.000$00 cada um, por responsabilidade de funções. O Gerente, que incluía o quadro de directores, e o pessoal subalterno eram remunerados. Havia ainda um Conselho Geral constituído pelos vinte maiores produtores agrícolas e por mais quarenta escolhidos de três em três anos, pelos restantes associados.
Nos primeiros anos da sua existência, e apesar do disposto nos Estatutos quanto à duração dos mandatos, os directores do Grémio foram os seguintes: em 1942, Dr. Alberto Gomes de Oliveira (Presidente), Dr. Albino Brandão de Sousa e Vasconcelos (Tesoureiro) e Justino Gomes Teixeira (Secretário); em 1943, Reinaldo Soares Correia de Noronha (Presidente), Dr. Albino Brandão de Sousa e Vasconcelos (Tesoureiro) e Justino Gomes Teixeira (Secretário); em 1944, Dr. Arnaldo Ângelo Brito Lhamas (Presidente), Dr. Albino Brandão de Sousa e Vasconcelos (Tesoureiro) e Eng.º Álvaro Noronha Lima (Secretário), que substituiu Justino Gomes Teixeira neste exercício; em 1945, Dr. Arnaldo Ângelo de Brito Lhamas (Presidente), que pediu a demissão e foi substituído em Dezembro por Fernando Galvão Teles, Dr. Albino Brandão de Sousa e Vasconcelos (Tesoureiro) e Eng.º Álvaro de Noronha Lima (Secretário).
Desde a sua fundação até 1946, ano em que assume a presidência, António de Almeida Brandão, natural de Rossas, foi sempre o Gerente do Grémio. O Guarda Livros também foi sempre Porfírio Brandão, da mesma naturalidade, que se manteve ainda até falecer em 1948, quando era também presidente da Junta daquela Freguesia. De resto, são estes dois, conjuntamente com Albino Brandão de Sousa e Vasconcelos, Veterinário, natural da Casa de Alhavaite, que assinam todos os Relatórios e Contas da Gerência de 1942 a 1946.
Com a demissão de Arnaldo Ângelo de Brito Lhamas, em Dezembro de 1945, António de Almeida Brandão assume a presidência a partir de 30 de Março de 1946, sendo exonerado cerca de um mês depois, a seu pedido, da presidência da Câmara Municipal, a que presidia desde 1941.
Uma das primeiras reivindicações do Grémio foi a exploração dos lacticínios da região, em benefício dos lavradores, levada a efeito por meio de uma Cooperativa, visto que os lacticínios representavam grande riqueza e a sua exploração havida sido entregue, em regime de monopólio, a uma empresa de Vale de Cambra. Atento o facto da criação de gado representar uma importante riqueza para região, o Grémio adoptou também medidas tendentes a promover o desenvolvimento da raça bovina arouquesa, que se encontrava muito decadente. Com este intuito, para além da concessão de prémios distribuídos mensalmente aos criadores daquela raça, desde 1942 começou a colaborar no Concurso que a Intendência de Pecuária promovia anualmente e empenhou-se na criação de Postos Zootécnicos de Cobrição.
Como o milho era a cultura dominante na região, para a estimular e «despertar a lavoura do marasmo em que tem vivido», para além de distribuir a crédito por seis meses os fertilizantes de que precisavam os caseiros e proprietários mais carenciados, o Grémio deliberou conceder também prémios pecuniários às melhores searas do referido cereal, bem como às de trigo e cevada. Para além do armazém central junto à sua sede na vila de Arouca, e da intenção de explorar por sua conta a Cerca do extinto Mosteiro, destinando-a a demonstração de culturas e obtenção de sementes, viveiro de fruteiras e videiras regionais, bem como recria de animais de boas raças, o Grémio estabeleceu postos de distribuição nas freguesias de Rossas, Alvarenga, Chave, Mansores, Escariz e Fermedo.
De acordo com o Relatório e Contas da Gerência de 1944, entre as realizações que o Grémio levou a efeito nesse ano, destaca-se o «Concurso das Searas» e a «Feira das Colheitas» durante a qual se realizou um notável «Concurso Pecuário». Nos dois concursos, que interessaram vivamente aos lavradores e constituíram retumbante sucesso, foram distribuídos prémios no montante de 14.250$00, concorrendo a Câmara Municipal e respectiva Comissão Reguladora com as importantes verbas de 6.900$00 e 3.000$00, respectivamente, a que se somou um subsídio da Comissão de Viticultura no valor de 5.730$00. Realizou-se depois uma Exposição Agrícola e, para distribuição de todos os prémios, uma Sessão Solene, a que se seguiu uma festa de sabor regional, tudo tendo alcançado grande brilho.
A imprensa diária e, nomeadamente os jornais "A Voz", "O Comércio do Porto», «O Século», «O Primeiro de Janeiro» e o «Diário da Manhã» fizeram largas reportagens desta festa e dos concursos, aproveitando o ensejo para pôr em realce as belezas e possibilidades agrícolas da região. Os seus relatos foram tão pormenorizados e interessantes que, no dizer de algumas pessoas, valeu a pena gastar-se dinheiro, só pela propaganda que a imprensa fez da nossa terra.
De acordo com o Relatório e Contas da Gerência de 1945, «apesar do desânimo que se verificou no concelho, mercê da paralisação da exploração mineira», foi memorável o Concurso e Exposição Agrícola, que se levou a efeito, com vista a promover o fomento agrícola da região, tendo sido grande o número de prémios distribuídos nos concursos de pecuária e das melhores searas, cujo montante ascendeu a 18.880$00.
O Grémio da Lavoura de Arouca foi extinto em 1 de Julho de 1977, tendo sido transferidos para a Cooperativa Agrícola de Arouca todos os bens, direitos e obrigações daquele organismo, ficando ainda "com o encargo de garantir a continuidade de todos os serviços que o Grémio prestava aos seus associados".
A Feira das Colheitas manteve-se e, apesar deste ano não se realizar, pelas razões de todos conhecidas, está aí para durar, porque, para além do mais: «A Feira das Colheitas deixou já de ser um acidente na vida do concelho, porque se tornou no acontecimento, na «realidade» da nossa terra. O que ontem foi ou teria sido uma tentativa ou uma experiência transformou-se já numa tradição radicada, que não pode perder-se nem abastardar-se, mas antes manter-se viva e engrandecida. É hoje, sem dúvida, a maior festa - porque de festa, afinal, se trata - a mais querida e ansiada de toda a gente.»  António Brandão de Pinho 2020-09-23
 
Arouca

Quarta, 28 de Outubro de 2020

Actual
Temp: 11º
Vento: E a 0 km/h
Precip: 0 mm
Nevoeiro
Qui
T 16º
V 3 km/h
Sex
T 19º
V 3 km/h
PUB.
PUB.
 
 
A Frase...

"Continua a aposta (da CMA) 'quase irracional' no turismo"

Carlos Tavares, lider do PPM-Arouca, em entrevista ao RV

EDIÇÃO IMPRESSA

RSS Adicione ao Google Adicione ao NetVibes Adicione ao Yahoo!
PUB.
Desenvolvido por Hugo Valente | Powered By xSitev2p | Design By Coisas da Web | 19 visitantes online