CULTURA
 
Os bastidores da Recriação Histórica
 
António José ensaia o seu personagem 'Frei Simão de Vasconcelos'
Edição deste ano vai incluir as repercussões que o terramoto de 1755 em Lisboa teve em Arouca e no seu Mosteiro
 
   Mais fotos
  Outras acções...
 Enviar a um amigo
 sugerir site
Decorre a semana de intensos ensaios para as muitas dezenas de figurantes e de actores que assumirão a Recriação Histórica "Arouca, História de um Mosteiro", evento emblemático do calendário arouquense que regressa no próximo fim-de-semana.
Miguel Carvalho, o coordenador-geral, disse-nos que os trabalhos intensificaram-se, salientando que este reviver da vida monacal e de episódios marcantes da vida local e, mesmo, do país, envolve cerca de 430 pessoas.
"Que venha muita gente!", proclamou, certo de que os públicos não darão por mal empregue o seu tempo. "Será um fim-de-semana interessante", sublinhou, com nota de que valerá a pena assistir ao desenrolar das várias cenas históricas.
Nesta recriação, as monjas voltam a respeitar os seus tempos de oração no cadeiral, regem a sua vida na sala do capítulo, dedicam-se às artes e aos cuidados médicos. A vila veste-se a rigor para a festa de S. Bernardo. E é eleita a abadessa, figura de poder religioso e temporal por estas terras.
A abertura está marcada para as 19 horas de sexta-feira, com uma arruada de bombos pela vila e o evento terminará da mesma forma às 20 horas de domingo, meia hora depois de se terem fechado as portas do Mosteiro.
"É o único evento em Portugal que retrata a vida quotidiana no interior de um mosteiro feminino", salientou Margarida Belém. Acentuou que a iniciativa "pretende levar o visitante numa verdadeira viagem no tempo, dando a conhecer como vivia a comunidade religiosa, os rituais que preservava, como, embora em clausura, se relacionava com o povo, o qual, sem sair da sombra do seu Mosteiro, trabalhava, aprimorava os seus ofícios e fazia a festa".
A presidente da Câmara Municipal de Arouca destacou "a novidade" prevista para sábado à noite: pelas 23.50 horas, a recriação das repercussões que o terramoto de 1755 em Lisboa teve em Arouca e no seu Mosteiro.
Também relevou o ritual de iniciação na vida religiosa, que se chamava Tonsura e que obrigava ao corte dos cabelos daquelas que entravam para o mosteiro, simbolizando a renúncia às vaidades do mundo. Cena de intensidade e dramatismo será, ainda, a da morte da última monja, que aconteceu em 1886 - às 18.50 horas de domingo.
Os episódios das lutas liberais, que em Arouca tiveram um impacto considerável, serão outra das atracções. Absolutistas e liberais voltam a esgrimir argumentos, sendo recriado, no sábado, às 17.15 horas, no antigo edifício da Câmara/Cadeia, o auto de aclamação - feito pelos liberais - de D. Maria da Glória (filha de D. Pedro) como legítima herdeira do trono de Portugal. Também será apresentado, às 17 horas de domingo, no mesmo local, o auto de reclamação - pelos absolutistas poucos dias depois - de D. Miguel I como rei de Portugal.
A autarca acrescentou que serão disponibilizadas visitas guiadas aos espaços conventuais e ao interior da Recriação Histórica,. "Serão três dias intensos e repletos de cenas marcantes que farão as delícias de quem nos visita", prometeu.

"Com garra!"

António José, bancário e actor no Grupo Cultural e Recreativo de Rossas, voltará a vestir a pele de "Frei Simão de Vasconcelos", para uma das cenas sobre as guerras liberais. "Agarrei este papel e gosto de o fazer; faço-o com garra!", disse-nos, com nota de que o assume há quatro anos.
Do evento, "complexo de montar", sublinhou o carácter voluntário da maior parte dos participantes. Uma condição que - disse - distingue esta recriação arouquense.
A Afonso Veiga, professor e investigador sobre o Mosteiro, com obras publicadas, coube garantir "a veracidade histórica" do que será apresentado aos públicos. Esteve no evento no seu lançamento e orgulha-se pelo crescimento de uma realização centrada num imóvel-património tão "imponente".
Vânia Silva veio de Braga para dirigir as cenas de exterior. Licenciada em Teatro, deu conta do interessante que é trabalhar com actores amadores: "é muito desafiante", enfatizou, com nota de que exige "muita flexibilidade".
Uma amiga apresentou-a ao "Arouca, História de um Mosteiro" e o assumir da função exigiu que se informasse sobre o tema. "Ainda estou a aprender muita coisa", disse-nos, na noite de ensaio em que fomos ao Terreiro de Santa Mafalda.
João Paulo Brandão, do TEA (Teatro Experimental de Arouca) actuará em duas cenas: o "Assalto Local", quando a gatunada visará os nobres em dia de festa, e na "Lenda das Pegas", história contada por artistas saltimbancos. "Dar a conhecer o Mosteiro e a história local" são, considerou, as grandes mais valias do acontecimento.
Margarida Belém vincou que a Recriação Histórica "é um dos eventos-âncora do município, que tem vindo a crescer de ano para ano, não só no número de pessoas envolvidas, a maior parte voluntárias e ligadas ao movimento associativo, mas também na qualidade dos espaços cénicos".
Disse que "o fio condutor do evento manter-se-á nos próximos", mas que, em cada edição, serão introduzidas "melhorias e novas dinâmicas". 2018-07-19 AOS/RV

 
Arouca

Quarta, 12 de Dezembro de 2018

Actual
Temp: 11º
Vento: S a 5 km/h
Precip: 2.5 mm
Chuva
Qui
T 7º
V 5 km/h
Sex
T 11º
V 5 km/h
PUB.
PUB.
 
INQUÉRITO
Onde vai passar o 'reveillon' este ano?
 
 
A Frase...

"A AECA existe há 27 anos e sempre valorizou o colectivo em detrimento do individual"

Carlos Brandão, presidente da associação empresarial, na cerimónia de aniversário

EDIÇÃO IMPRESSA

RSS Adicione ao Google Adicione ao NetVibes Adicione ao Yahoo!
PUB.
Desenvolvido por Hugo Valente | Powered By xSitev2p | Design By Coisas da Web | 18 visitantes online