SOCIEDADE
 
Investigadora arouquense sobressai em congresso de ciência
 
Diana Tavares Valente está na U. Minho
Diana Valente apresentou trabalho de oncobiologia em que se baseou o seu doutoramento
 
   Mais fotos
  Outras acções...
 Enviar a um amigo
 sugerir site
Decorreu nos passados dia 2 a 4 de Julho, no Centro de Congressos de Lisboa, o maior encontro de ciência em Portugal. "Ciência 2018" é um encontro anual dos investigadores portugueses e empresas que mostram a inovação e excelente trabalho científico que se desenvolve no país. Contou com a presença de convidados das mais variadas áreas de ciência e tecnologia portugueses e estrangeiros, para além de ser completamente gratuito e aberto à comunidade.
No evento, um nome arouquense sobressaiu: Diana Valente, investigadora na área de oncobiologia, a finalizar o seu doutoramento na área de investigação em Ciências da Saúde, pelo Instituto de Investigação em Ciências da Vida e Saúde, da Escola de Medicina da Universidade do Minho, e docente convidada no Instituto Universitário de Ciências da Saúde, Cespu. Neste congresso apresentou parte do trabalho desenvolvido durante o seu doutoramento, publicado recentemente em revista científica internacional, acerca do papel do metabolismo das células tumorais como alvo para o desenvolvimento de novas terapias antitumorais.
Esta edição do "Ciência 2018" contou também com as mais altas figuras do estado, o primeiro-ministro António Costa e o presidente da República Marcelo Rebelo de Sousa, para além de outros ministros, da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, e dos Negócios Estrageiros, entre outros. O encontro contou ainda com a África do Sul como país convidado. Por entre debates, workshops e demonstrações do que melhor se faz em Portugal a este nível, existiram também manifestações do desagrado do estado da ciência em Portugal. Algumas dezenas de manifestantes, bolseiros de investigação, exigiram uma carreira científica digna e não a situação precária de uma bolsa de investigação. De facto, têm sido agilizados concursos de estímulo a emprego científico anunciados pelo governo e enfatizados nos discursos do primeiro-ministro. Perante uma plateia repleta de cientistas, o governante referiu que o programa "Mais Ciência Menos Burocracia" foi criado para libertar as instituições de processos contra a dinâmica da investigação e que o número de investigadores subiu de 7% para 11%, também graças à contribuição de muitas empresas, que estão a empregar cientistas. Na sua intervenção, António Costa relembrou a intenção do Governo de criar cinco mil vagas para emprego científico, "três mil ainda este ano e dois mil em 2019". É de referir a participação de alunos do secundário que desde tenra idade demonstram já um interesse pela ciência e pela curiosidade de descobrir novas coisas. Estes alunos de vários colégios, nomeadamente lisboetas, mostraram com pequenas apresentações com grande motivação o que de bom se faz no nosso ensino pré-universitário e o grande profissionalismo que lhes é incutido pelos educadores. Este tipo de encontros permite não só o conhecimento de áreas em grande desenvolvimento em Portugal, interacção de investigadores e sector empresarial e contribuem para uma interacção com a comunidade, importante no paradigma para que servem os dinheiros públicos investidos na investigação. 2018-07-12
 
Arouca

Quarta, 17 de Outubro de 2018

Actual
Temp: 14º
Vento: WSW a 3 km/h
Precip: 2.1 mm
Chuvas Fortes
Qui
T 18º
V 5 km/h
Sex
T 19º
V 5 km/h
PUB.
PUB.
 
INQUÉRITO
Qual dos vereadores da oposição mais se destacou no primeiro ano de mandato?
 
 
A Frase...

"O orçamento para esta época ronda os 50 mil euros"

Júlio Moreira, presidente da UD Mansores, em entrevista ao RV

EDIÇÃO IMPRESSA

RSS Adicione ao Google Adicione ao NetVibes Adicione ao Yahoo!
PUB.
Desenvolvido por Hugo Valente | Powered By xSitev2p | Design By Coisas da Web | 49 visitantes online