SOCIEDADE
 
Compostela: relato de uma peregrinação arouquense
 
Chegada à catedral emblemática na Galiza
Grupo do ADS/ClubeBosco fizeram o caminho português de Santiago
 
  Outras acções...
 Enviar a um amigo
 sugerir site
Mais um desafio lançado aos animadores e jovens lenços vermelhos dos ADS/ClubeBosco do Centro Juvenil Salesiano de Arouca: fazer o caminho português de Santiago de Compostela. Aceitaram o desafio 13 elementos.
«Na cabeça tínhamos uma meta: uma semana (pois sim! quatro dias) para ir de Ponte de Lima a Santiago de Compostela.
No dia 26 de Março, com as férias marcadas, a mochila às costas e os pés bem forrados, os (vários) passos seguintes são comandados pelas setas amarelas que ditam o caminho a seguir. Se a 'pica' inicial encurtou o caminho para quatro dias, a experiência deu vontade de que a meta fosse mais perto.
Com uma motivação elevada e com a urgência em fazer check in faltava só encher a mochila de maneira a andar com poucos quilos às costas. Barritas e bolachas, água em abundância, pensos higiénicos para almofadar os pés, agulhas e linha para as bolhas, muitos Voltaren para aliviar os músculos e a nossa oração de eleição: "Abençoai, Senhor, os alimentos que vamos tomar; que eles renovem as nossas forças para melhor Vos servir e amar. No fim Obrigado, Senhor, pelo alimento que nos deste."
Lá fomos de Ponte de Lima a Valença. O dia começou com uma boleia madrugadora (obrigada Victor e Miguel) até Ponte de Lima, onde colocamos o nosso primeiro carimbo. Às 9 horas dá-se o arranque, ainda falador, típico de quem está a começar. Há histórias para contar, novidades, cusquices e dicas de quem partilha uma aventura. Pelo meio alguns "bons dias" e "bom caminho", ainda tímidos dados aos habitantes e outros caminhantes. Tudo parecia perfeito, até a temperatura. Lá ficaram cumpridos os primeiros 35 km e zero bolhas.
A partir daqui, de albergue em albergue lá fomos fazendo, cada um ao seu ritmo, ora 40 ora 44 km. Fomos também tentando conhecer melhor a gastronomia espanhola, bastante calórica mas eficaz na reposição de energia.
Seguiu-se Redondela, depois Pontevedra, Padron e finalmente Santiago.
Pelo caminho tivemos de enfrentar a chuva e a lama para não falar nas intermináveis subidas e descidas que faziam variar os nossos pontos de dor nas pernas e nas costas. Começou-se a sentir dor em zonas que não julgávamos ser possível doer por exemplo os pulsos.
Sempre à procura de carimbos e, confusos com tantos quilómetros esbarrávamos constantemente nos mesmos caminhantes que ora avançavam ora retrocediam.
Em dia de chegada à meta, o toque de partida que dava o mote aos últimos 25,5 quilómetros. Debaixo de um céu carregado de nuvens e muitas vezes de chuva as paragens para recuperar o fôlego são mais distanciadas (e o Victor e o Miguel têm a vida facilitada). Daí que pouco depois das 14 horas, do dia 29 de Março, já a Catedral tinha deixado de ser miragem. O importante foi chegar à praça principal, aliviar os pés, encontrar Santiago e receber o diploma em troca dos carimbos.
Missão cumprida!
Obrigada a todos os que nos apoiaram, realçando os Estabelecimentos Cavadinha e o Centro Juvenil Salesiano de Arouca. Victor Cruz (coordenador)». 2018-04-04
 
Arouca

Segunda, 24 de Setembro de 2018

Actual
Temp: 30º
Vento: ESE a 5 km/h
Precip: 0 mm
Céu Limpo
Ter
T 28º
V 5 km/h
Qua
T 28º
V 2 km/h
PUB.
PUB.
 
INQUÉRITO
Com a proposta do governo de reverter as agregações das freguesias, as uniões feitas no concelho de Arouca devem...
 
 
A Frase...

"Pretendemos manter as dinâmicas de trabalho, participar em projectos e proporcionar aos alunos um ensino de qualidade"

Adília Cruz, directora do AE Arouca, em declarações ao RV

EDIÇÃO IMPRESSA

RSS Adicione ao Google Adicione ao NetVibes Adicione ao Yahoo!
PUB.
Desenvolvido por Hugo Valente | Powered By xSitev2p | Design By Coisas da Web | 45 visitantes online