LUIS ALEXANDRE
 
Turismo e desporto aventura
 
OPINIÃO | Questionaram sobre o porquê de tantos eucaliptos | TEXTO COM MAIS DE 700 VISUALIZAÇÕES
 
  Outras acções...
 Enviar a um amigo
 sugerir site
Durante os últimos dias, passei algum tempo nas margens do Rio Paiva, Paivô e Tâmega. O motivo, para além do gosto pessoal que tenho pela natureza e pelo desporto aventura, deveu-se principalmente ao acompanhamento logístico que prestei a dois grupos estrangeiros, provenientes da Suíça, única e exclusivamente para praticar Kayak. Esta modalidade consiste em enfrentar as águas bravas de um rio
com uma pequena embarcação em plástico, uma pagaia (remo), um colete de flutuação e um capacete (é o material básico e obrigatório para a prática da modalidade). Depois, consoante o nível de experiência do canoísta, este poderá aventurar-se nos rápidos de águas bravas, que se classificam por níveis de dificuldade que vão de 1 a 5.
Além do muito que aprendi sobre os rios, sobre as correntes e sobre a modalidade, pude também reforçar a ideia que tenho sobre as "receitas" do turismo, sobretudo estas dos desportos de rio, que se desenvolvem no inverno durante a época "baixa" do turismo. Só em Arouca, as necessidades foram de tal ordem que passaram pela mecânica, mercados locais, hotelaria, restauração, serviços de compra e substituição de pneus, combustíveis, papelaria... enfim, comprova-se realmente que o turismo não
atinge apenas a restauração, animação turística e hotelaria, como por aí se pensa, mas também um conjunto de vários outros agentes locais prestadores de serviço. Todas estas despesas, durante estes dias, deverão ser multiplicadas por quatro, sendo este o número de grupos organizados que andaram pelo rio, com cerca de oito pessoas cada grupo, tirando as descidas de rafting e os desportistas liberais que por cá também andavam diariamente em diversão própria, maioritariamente estrangeiros: polacos, austríacos, franceses e espanhóis.
Ao acompanhar os grupos diariamente, e com relativa proximidade, tive oportunidade de tirar algumas notas e perceber que, enquanto território, nos destacamos em algo: No acolhimento e na receção a quem nos visita. Não pela simpatia dos arouquenses (que me parece uma característica bastante portuguesa), mas sim pela valorização do "turista" e da qualidade do serviço prestado aos mais ínfimos pormenores, como por exemplo o simples facto de haver "Menus" de restauração com tradução Português - Inglês, inexistentes em outros sítios por onde parámos, já fora do concelho. O excelente e ativo movimento da nossa Vila, diurno e noturno, vale-nos também alguns pontos a favor, quer pela qualidade e diversidade dos serviços oferecidos quer pelos horários que praticam.
Todavia, paralelamente a estes reparos, registaram-se também algumas notas menos favoráveis a Arouca, nomeadamente a inexistência de informações sobre o funcionamento das estruturas de apoio aos desportos de rio (Areinho e Espiunca) que, a não ser que estejam bastante escondidas, são inexistentes; a biodiversidade das nossas florestas, ainda que ardidas, várias vezes os canoístas estrangeiros questionaram sobre o porquê de tantos eucaliptos, associando-os de imediato à celulose, mas merecendo, ainda assim, um reparo negativo, não de crítica mas sim de melancolia.
Outro reparo, com o qual fiquei realmente surpreso, foi a falta de diversidade de pescado nas ementas locais. Sendo por nossa tradição bastante comum os pratos de carne, torna-se difícil encaixar tanta carne em duas refeições diárias, durante sete dias seguidos na ementa de alguém que tem por hábito o consumo assíduo de Peixe - não sendo o meu caso, daí a estranheza, mas sim o dos visitantes de fora.
De resto, o Paiva ou a Paiva, "como também lhe chamam", encerra várias riquezas, sendo a paisagística aquela que melhor se destaca. Quem desce o nosso rio fica sempre impressionado. Desta forma, o Paiva afirma-se como uma fonte de riqueza a vários níveis, constituindo os desportos de Águas Bravas um grande potencial para o turismo do Arouca Geopark, principalmente de inverno, e pode ainda vir a ser bastante melhorado. Ainda sobre a relevância da modalidade, no final deste mês de Março, julgo estar previsto um curso de iniciação ao Kayak, aqui no Paiva, promovido pelo Clube de Canoagem e de Águas Bravas de Portugal, e também, nofinal do mês de Abril, um dos maiores encontros e festivais nacionais de canoístas, em Alvarenga, conhecido como "Paiva Fest" - Rio todo o dia e festa toda a noite! Estes eventos estão abertos a todos, arouquenses e visitantes.

(texto publicado na edição impressa do RODA VIVA jornal de 2017.03.16)

 
Arouca

Sexta, 24 de Novembro de 2017

Actual
Temp: 13º
Vento: SSE a 2 km/h
Precip: 12.8 mm
Chuvas Fortes
Sáb
T 16º
V 2 km/h
Dom
T 13º
V 6 km/h
PUB.
PUB.
 
INQUÉRITO
Nas compras natalícias deste ano, pensa gastar...
 
 
PUB.
A Frase...

"Um apicultor tem que ter grande paixão pelas abelhas, mesmo depois de algumas picadas!"

António Azevedo, produtor de mel em Arouca, em entrevista ao RV

EDIÇÃO IMPRESSA

RSS Adicione ao Google Adicione ao NetVibes Adicione ao Yahoo!
PUB.
Desenvolvido por Hugo Valente | Powered By xSitev2p | Design By Coisas da Web | 52 visitantes online